domingo, 5 de julho de 2009

Sabor de mar

Foto Walnize Carvalho

Caçava poemas à beira-mar no inverno tropical.

Já não há os tatuís da infância, já não há o pai se divertindo escolhendo mariscos.

Tropeça em conchas e em pensamentos descabidos.

O vento sul traz frio e desassossego.

O apelo irresistível das ondas quase a leva dali.

Recolhe as lembranças e os medos.

É hora de recomeçar.

Pois é os tatuís* já não moram mais na areia (será que ainda existem em algum lugar?) e já não posso colher mariscos com meu pai.

Os tatuís eram preparados no azeite pelo minha avó Bande e os mariscos eram quase sempre consumidos com limão mesmo ali à beira d'água.

Meu pai dizia que ela fazia um arroz de mariscos maravilhoso e uma omelete ídem,mas disso não lembro e não peguei a receita.

Invento aqui uma omelete de mariscos, que não é a da minha avó, mas que saiu das deduções de como poderia ser.

Omelete de Mariscos

300 gramas de mariscos frescos ou congelados

2 colheres de sopa de alho poró picado

sal a gosto

gotas de limão

4 ovos ligeiramente batidos

2 colheres de leite

óleo para fritar

Refoque os mariscos com o alho poró por 2 minutos. Tempere com sal e gotas de limão. Reserve.

Bata ligeiramente os ovos, apenas para misturar um pouco. Junte uma pitada de sal e o leite. Aqueça o óleo.

Coloque metade da mistura de ovos, abaixe o fogo e vá deixando escorrer a parte crua para as bordas da omelete. Quando estiver cozida porém cremosa a mistura recheie com metade dos mariscos e dobre. Ponha num prato aquecido. Faça o mesmo com o resto da mistura. Sirva acompanhada de torradas ou arroz branco.

*

Tatuí (que significa pequeno tatu em tupi) ou tatuíra (Emerita brasiliensis) é o nome dado ao crustáceo decápode, que pode chegar a medir 37 centímetros e que é encontrado fazendo escavações de pouca profundidade nas praias arenosas brasileiras. Tem coloração branca. Sua semelhança com os tatus valeu-lhe o nome comum. Sua importância econômica é a apreciação na culinária local e na pesca. Sua presença em grande quantidade pode determinar o grau de limpeza nas praias. Praias geralmente com um grau leve de poluição em diante podem ter uma população do crustáceo bem reduzida, ou mesmo praticamente não a ter.

  • Outros nomes populares: tatuíra, tatu d'água e pulga do mar.


 Chico Buarque - Morena dos Olhos D'água

2 comentários:

Walnize disse...

Ana Paula,
A sutileza deste blog é o prato principal.
Parabéns,
Walnize Carvalho

Ana Paula Motta disse...

Obrigada,Walnize. Esse blog é feito com muito carinho por mim e pela Natália. Volte sempre.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...